Espanha, 1980. Dois investigadores de Madri com ideologias políticas opostas são enviados para investigar o desaparecimento de duas adolescentes em um vilarejo remoto no pântano do rio Guadalquivir. Nesse vilarejo preso ao passado, eles terão que enfrentar um assassino cruel, assim como seus próprios demônios.

La isla mínima

Espanha, 1980. A democracia ainda é nova. Em um pequeno vilarejo localizado nas planícies pantanosas, um lugar esquecido por muitos e preso no passado, duas adolescentes desaparecem durante a comemoração de uma festa local. Porém, ninguém sente falta delas pois os jovens da região geralmente deixam o vilarejo em busca de uma vida melhor, algo que muitos só conseguem fugindo de casa. Rocío, a mãe das adolescentes, convence Andrade, o juiz da região, a abrir uma investigação. Dois investigadores de homicídios, Pedro e Juan, são enviados de Madri. Suas personalidades são conflitantes e seus métodos de trabalho, também. Por motivos distintos, ambos estão tendo problemas no trabalho. Os fazendeiros da região entram em greve ameaçando a colheita de arroz, a principal fonte de renda do vilarejo. Isso se torna um problema para os investigadores, que são pressionados a encerrar o caso o quanto antes. Entretanto, a investigação acaba revelando o desaparecimento de várias adolescentes na região nos últimos anos, assim como outra importante fonte de renda para o vilarejo: o tráfico de drogas. Nesse vilarejo isolado e fechado, nada é que aparenta ser. A investigação não avança. Diante dessa situação complicada, Juan e Pedro terão que enfrentar o passado, o futuro e seus próprios medos. A investigação os aproxima e seus métodos distintos começam a se complementar. A prioridade é encontrar o assassino.

Data de lançamento:

2014