Paul Ashworth, um professor de literatura e treinador de futebol, é um adepto ferrenho do Arsenal. Na escola onde leciona, conhece Sarah, uma colega séria e reservada que não partilha da sua paixão pelo desporto.

Fever Pitch

Paul Ashworth é um professor de literatura que adora futebol, sobretudo o Arsenal. Uma “magnífica obsessão” que pôs a sua relação com a professora de História, Sarah Hughes, em risco; principalmente quando o jogo que decidirá a vitória do campeonato está em causa… O realizador, David Evans, baseia-se nas páginas do romance autobiográfico de Nick Hornby com o mesmo nome, que tem como tema a paixão que une milhares de seres humanos, influenciando o seu tempo livre e escolhas de vida. O protagonista parece não ter mais nenhum propósito a não ser acompanhar a época de futebol do seu adorado clube e usar as cores deste. Ao contrário do romance, cuja ação se desenrola ao longo de um período bastante mais longo, desde finais da década de 1960 até ao início da década de 1990, o filme decide centrar-se no campeonato de 1988/1989 e, através de alguns flashbacks, reconstitui a biografia do protagonista e o contexto em que ela se desenrola. O filme retrata as impressões e os estados de espírito do primeiro jogo de futebol a que o jovem Paul assiste com o seu pai, bem como a lotação crescente e frenética dos estádios suburbanos de uma metrópole de finais da década de 1960, muito distante da Londres animada e vibrante ou dos ecos estudantis de 1968. O filme também aborda o fenómeno devastador do hooliganismo e da violência nos estádios e, em particular, a tragédia de 15 de abril de 1989, em Hillsborough, onde muitos adeptos do Liverpool perderam a vida. O realizador consegue capturar a ansiedade resultante da expetativa de uma vitória e o prazer do desafio, os quais dão vida a uma personagem pela qual não conseguimos deixar de sentir uma benevolente vontade de rir.

Data de lançamento:

1997