1992

"Italianos e gregos, um rosto, uma raça." Salvatores dirige Bisio e Abatantuono no seu terceiro filme, centrado na fuga. Em 1941, 8 soldados italianos aterram numa ilha grega para a guardar. Longe do mundo real e inaptos para a atividade militar, integram-se na comunidade local e passam o tempo a jogar jogos de futebol memoráveis na praia. Mas quando a guerra termina, eles têm de regressar a casa.

Mediterraneo

Em 1941, durante a Segunda Guerra Mundial, uma guarnição militar italiana aterrou numa pequena ilha grega. Evidentemente inexperientes e isolados do mundo porque o seu rádio avaria assim que chegam, dedicam-se a atividades completamente alheias à guerra, lideradas pelo Tenente Montini, professor no ginásio, apaixonado pela pintura e o único que fala grego. Entre eles está o Sargento Lorusso, que lutou na campanha africana, acompanhado pelos fiéis Colasanti, os dois irmãos Munaron dos Alpes Veneto e Strozzabosco, um antigo instrutor de esqui que gosta de uma mula. Farina, por outro lado, apaixona-se por uma prostituta enquanto Noventa tem apenas um pensamento em mente: regressar à sua família. Os soldados integram-se com a população da ilha de homens velhos, mulheres e crianças, uma vez que os homens jovens foram deportados pelos nazis. Passam o seu tempo em atividades de lazer, a jogar jogos de futebol memoráveis e a meter-se em sarilhos. Mas quando um avião de reconhecimento italiano aterra na ilha e os avisa que o armistício foi assinado, os soldados apercebem-se de que já passaram três anos desde que aterraram. Portanto, têm de se preparar para o seu regresso a casa, mas nem todos estão preparados para isso. Realizado por Gabriele Salvatores e protagonizado por Diego Abatantuono e Claudio Bisio, foi galardoado com um Óscar de melhor filme estrangeiro, três David di Donatello Awards e um Nastro D'Argento.

Data de lançamento:

1992